Radio Tupinamba AM

Radio Tupinamba AM

O Sirena, que veio da Flórida, é o primeiro de 15 cruzeiros que passarão pelo Estado

Com 1.048 passageiros, o navio Sirena passou nesta terça-feira (24) por Fortaleza e abriu a temporada 2017/2018 de cruzeiros no Ceará. Outros 14 navios devem embarcar no Terminal de Passageiros do Porto do Mucuripe até março de 2018. Os passageiros embarcaram às 11 horas e foram recepcionados com guias e mapas informativos e brindes da Secretaria do Turismo do Ceará (Setur). Os turistas permanecem na capital cearense até as 23 horas desta terça-feira.

Vindo de Miami, na Flórida (EUA), o Sirena já passou por Barbados, Guiana Francesa, Santarém, Manaus e Macapá. De Fortaleza, parte para Recife, Rio de Janeiro, Santos, Porto Alegre, Punta del Leste, Montevideo e Buenos Aires, encerrando o percurso no dia 10 de novembro. A maioria dos passageiros é norte-americana (394). Também há canadenses (92), ingleses (35), alemães (25), australianos (19), neozelandeses (15), entre outros. Todos na faixa etária de 60 a 100 anos.

O Sirena, que veio da Flórida, é o primeiro de 15 cruzeiros que passarão pelo Estado

“Fortaleza tem a grande vantagem de ser porto de passagem. Parar aqui praticamente não é mudança de curso. Estamos no caminho dos cruzeiros que vêm dos EUA e Austrália para a América do Sul e dos que vêm da Europa para a América do Sul. Além de estarmos no percurso dos navios que vêm do Sul em direção ao rio Amazonas. A tendência é que a quantidade de cruzeiros atracando na nossa capital só aumente”, destaca o secretário do Turismo, Arialdo Pinho.

Neste ano, o Terminal do Mucuripe já recebeu 11 cruzeiros, totalizando quase 13 mil visitantes. Um não atracou por mau tempo. Outros dois estão previstos até o fim deste ano. O número de turistas chegando pelo porto em 2017 já é maior que o total de passageiros que vieram em todo o ano de 2016, quando a Capital recebeu oito navios, com 8.625 passageiros. Em 2015, Fortaleza recebeu sete navios com 18.585 passageiros ao todo.

Fonte: Governo do Ceará

Nesta terça-feira (24), a vice-governadora Izolda Cela recebeu o prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra para tratar do processo de implantação do Pacto por um Ceará Pacífico no município.

O processo de implementação das ações territoriais começou a ser construído no primeiro semestre deste ano.

Para a vice-governadora Izolda Cela, esta experiência no Município pode ser muito rica e gerar boas influências para a Região. “Juazeiro é um município polo do interior sul do Ceará que abraçou o projeto e vai implantar um território prioritário, em uma experiência piloto. Juntamente com uma nova modelagem de policiamento agregam-se outras ações de fortalecimento da comunidade, tanto melhorias urbanas, quanto a melhoria e articulação dos serviços sociais no território. Dessa forma, acreditamos que há melhores perspectivas no enfrentamento da violência. Para sermos capazes de ganhar, pouco a pouco, esta batalha, é necessário que haja articulação entre o Governo do Ceará e os municípios.

Nesta terça-feira (24), a vice-governadora Izolda Cela recebeu o prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra para tratar do processo de implantação do Pacto por um Ceará Pacífico no município.

Izolda Cela explicou para o prefeito Arnon Bezerra e a equipe técnica de Juazeiro do Norte todo o processo de atuação das Unidades Integradas de Segurança, além de destacar as várias ações da Uniseg e a relação com a comunidade dos territórios do Ceará Pacífico.

De acordo com o prefeito Arnon Bezerra, “Saímos felizes desta reunião, pois vemos no Ceará Pacífico uma maneira elegante e incisiva de se tratar o problema da violência, sem ser agressivo. É um problema que atinge toda uma sociedade e queremos, tanto governo estadual, quanto governo municipal, prepararmos um modelo que possa possibilitar a passos largos andarmos e resolvermos essa questão”.

Nesta terça-feira (24), a vice-governadora Izolda Cela recebeu o prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra para tratar do processo de implantação do Pacto por um Ceará Pacífico no município.

Participaram da reunião o secretário chefe de gabinete da Vice-Governadoria, Fernando Oliveira, a secretária Desenvolvimento Social e Trabalho de Juazeiro, Isabela Bezerra, o secretário de cultura do município, Arlemberg Quindins, além de técnicos da equipe do Ceará Pacífico.

Fonte: Governo do Ceará

O Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) confirmou, na manhã desta quarta-feira (25), que a estudante Isadora de Morais, de 14 anos, baleada por um colega no colégio em que estuda, está paraplégica. Segundo o último boletim divulgado pela assessoria de comunicação da unidade, a menina sofreu uma lesão na medula e perdeu o movimento das pernas.

“A adolescente apresenta uma lesão na medula espinhal, no nível da 10ª vértebra da coluna torácica, que comprometeu os movimentos dos membros inferiores de forma definitiva. A paraplegia já havia sido diagnosticada no dia de sua admissão”, informou o hospital. 

De acordo com a nota, Isadora continua internada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) humanizada, com estado de saúde regular. A menina está, segundo o hospital, orientada, consciente e respirando sem a ajuda de aparelhos.

Além de Isadora, continuam internadas as estudantes Marcela Macedo, que segundo a assessoria de comunicação do Hugo está internada em uma enfermaria com estado regular, e Lara Fleury, que está no Hospital dos Acidentados e não teve o boletim médico divulgado. Lara divulgou um áudio na terça-feira (24) para agradecer o apoio das pessoas e revelou que está se recuperando.

A mãe de Isadora, Isabel Morais, disse durante um culto em homenagem às vítimas dos tiros, realizado na terça, que a filha pediu "as pernas de volta" aos médicos. A mãe da adolescente afirmou ainda que tem fé de que a filha possa se recuperar.

"Ela me disse: 'Mamãe, morri e parecia que estava em um sonho e acordei de novo. Fala para os médicos que quero minhas pernas de volta'. Acredito, creio que Deus vai recuperar a medula da minha filha, sei que Deus faz o impossível, mas também sei que minha dor não é maior do que a de quem perdeu os filhos”, completou.

crime aconteceu no fim da manhã de sexta-feira (20) em uma sala de aula do 8º ano do Colégio Goyases, no Conjunto Riviera, em Goiânia. Os tiros foram disparados por um aluno da classe, de 14 anos, no intervalo entre duas aulas.

Os alunos João Pedro Calembo e João Vitor Gomes, ambos de 13 anos, morreram ainda no colégio. Os corpos foram enterrados no sábado (21), em cemitérios de Goiânia.

O estudante Hyago Marques, de 13 anos, também foi baleado e foi o primeiro a receber alta, no domingo (22). Já em casa, ele afirmou que perdoa o colega autor dos disparos, mas que "nada justifica a reação dele".

 
João Pedro Calembo (à esquerda) e João Vitor Gomes foram mortos a tiros durante ataque em escola colégio de Goiânia Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)João Pedro Calembo (à esquerda) e João Vitor Gomes foram mortos a tiros durante ataque em escola colégio de Goiânia Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

João Pedro Calembo (à esquerda) e João Vitor Gomes foram mortos a tiros durante ataque em escola colégio de Goiânia Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Motivação do crime

 

Segundo o delegado Luiz Gonzaga Júnior, responsável pelo caso, o autor dos tiros disse que sofria bullying de um colega e, inspirado em massacres como o de Columbine, nos Estados Unidos, e de Realengo, no Rio de Janeiro, decidiu cometer o crime. Filho de policiais militares, ele pegou a pistola .40 da mãe e a levou para a unidade educacional dentro da mochila.

O pai do adolescente prestou depoimento à polícia e negou que soubesse que o filho sofria bullying. Disse, ainda, que nunca ensinou o filho a atirar e que ele pegou a arma descarregada sobre o guarda roupas e a munição em uma gaveta trancada após procurar e achar as chaves.

 

O aluno, que estava apreendido na Delegacia Estadual de Apuração de Atos Infracionais (Depai), foi transferido na segunda-feira (23) para um centro de internação onde irá cumprir a decisão de internação provisória expedida pela Justiça.

 
Estudante que atirou contra a turma deixa delegacia em Goiânia, Goiás (Foto: Vitor Santana/ G1)Estudante que atirou contra a turma deixa delegacia em Goiânia, Goiás (Foto: Vitor Santana/ G1)

Estudante que atirou contra a turma deixa delegacia em Goiânia, Goiás (Foto: Vitor Santana/ G1)

 

O que se sabe até agora:

 

Veja a sequência dos fatos:

 

  1. Colegas relatam que ouviram um barulho;
  2. Em seguida, os alunos viram o adolescente tirando a arma da mochila e atirando;
  3. Alunos correram para fora da sala de aula;
  4. O aluno descarregou um cartucho, carregou o segundo e deu um tiro, mas foi convencido; pela coordenadora a parar de atirar;
  5. Estudante foi levado para a biblioteca até a chegada dos policiais;
  6. Tiros Colégio Goyases, Goiânia - último (Foto: Arte/ G1)
  7. Tiros Colégio Goyases, Goiânia - último (Foto: Arte/ G1)

    Fonte: G1/CE

O prefeito Ivo Gomes recebeu em seu gabinete, nesta terça-feira (24/10), o diretor do Departamento de Polícia do Interior Norte, delegado Marcos Aurélio França, e propôs a criação de um fórum permanente de debates entre Prefeitura, Polícia Militar, Polícia Civil, Perícia Forense, Ministério Público e Poder Judiciário para buscar soluções de enfrentamento aos índices de violência em Sobral.

“Tudo que estiver ao alcançe da Prefeitura de Sobral e dentro da Lei, haverá um suporte do poder público para que as entidades possam reduzir esses números assustadores da violência em nossa cidade. Precisamos estar em sintonia, todas as entidades, para encontrarmos uma solução, porque do jeito que está não pode continuar”, afirmou o prefeito Ivo Gomes. 

Ao final do encontro, o delegado Marcos Aurélio se mostrou otimista com relação aos índices de violência no município. “Com a criação desse fórum, onde mantiremos contato direto e regrado com todas as forças operantes do sistema de segurança da União, do Estado e do município, tenho certeza que iremos reduzir, até o final do ano, uma grande parcerla desses homicídios”, ressaltou o delegado.  


Ainda segundo Aurélio, “com o suporte que a Prefeitura está nos oferecendo, sobretudo com relação aos seus equipamentos, como o CRAS, CAPS, Conselho Tutelar e todos os órgãos de proteção do município, iremos compreender melhor o que está acontecendo e aí, com certeza, iremos atuar diretamente no problema”, concluiu.

Fonte: Blog de Sobral

A Prefeitura de Sobral, por meio da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Econômico (STDE) e do SEBRAE, realizaram na última sexta-feira (20/10), uma visita técnica ao Centro de Artesanato de Carqueijo, no distrito de Mucambo, com o objetivo de conhecer outras experiências de sucesso para o fortalecimento do artesanato local. 

Participaram da missão técnica, a gerente de Capacitação, América Rodrigues e o técnico do Artesanato da STDE, Francisco das Chagas, a Analista Técnica do Sebrae, Graciele Guerrato, e artesãos da sede e distritos de Sobral. O grupo foi recepcionado pelo Sr. Isaías, artesão do Carqueijo e pelo Secretário de Cultura do Mucambo, Gilmar Martins.

Fonte: Blog de Sobral

O Brasil faturou bons resultados ontem no Pan-Americano de Triathlon, em Puerto Lopez, no Equador. E dois cearenses faturaram medalhas.

Destaque para as mulheres, que ganharam três delas. Pâmella Oliveira terminou em 1º na categoria elite, ficando ainda com o 2º lugar geral. Já a cearense Vittória Lopes ficou em 2º lugar na categoria sub-23, mas foi a 3ª no geral, seguida nas duas classificações por Luísa Baptista.

“Conseguimos trabalhar bem em equipe na natação e no ciclismo, conquistando esse grande resultado para o Brasil. Gostaria de agradecer todos que nos apoiaram”, comentou Vittória.

O outro título veio no masculino, com o cearense Manoel Messias, campeão geral e da categoria sub-23. Na elite, ele venceu 68 atletas que largaram junto, com os tempos 15min21s para 1.500m de natação, 54min03s para 40km de ciclismo e 31min48s para 10km de corrida.

“Essa prova era muito importante e foi meu melhor resultado em pan-americanos”, celebrou Messias.

Representaram o Brasil também Kauê Willy, terminando em 7º lugar, Matheus Diniz e Danilo Pimentel, que terminaram no Top 10 da elite masculina. Brenno Rebouças

Fonte: O Povo

No intuito de ampliar a movimentação turística no Ceará já a partir do próximo ano, os secretários de Turismo do Estado e de Fortaleza, Arialdo Pinho e Alexandre Pereira, vão participar da Feira Internacional de Turismo da América Latina (FIT), no próximo fim de semana, em Buenos Aires. Apontada como a maior feira de turismo da Argentina, o evento será realizado de 28 a 31 de outubro, reunindo mais de 90 mil visitantes, entre profissionais do setor e público qualificado.

O objetivo, segundo Arialdo, é divulgar Fortaleza internacionalmente como destino turístico, bem como contribuir com o aumento do número de voos da Capital para Buenos Aires. Hoje, os destinos se conectam por meio de um único voo semanal (aos sábados) operado pela Gol. “Vamos em busca do mercado da Argentina, que é forte, e consolidar demandas”, diz.

Segundo dados da Secretaria do Turismo do Ceará (Setur), o Estado recebeu, em julho deste ano, 1.693 turistas da Argentina, via Aeroporto de Fortaleza. O número é 154% maior que o total registrado na alta estação de 2016. Para atender à demanda do período, foram disponibilizadas duas novas frequências semanais. “Além de participar de eventos corporativos, queremos melhorar a relação entre Buenos Aires e Fortaleza”, afirma Alexandre.

Stopover

Antevendo a implantação do hub (centro de conexão de voos) da Air France-KLM/Gol e o início das operações de cinco voos diretos para Paris (França) e Amsterdã (Holanda), a partir de maio de 2018, Governo do Estado e Prefeitura se articulam para atrair os turistas que cheguem à Cidade, rumo a outros destinos.

Uma das medidas é criar o Programa Stopover, quando o passageiro faz de maneira voluntária uma escala ou conexão com duração maior que 24 horas, semelhante ao que é feito em Lisboa, em Portugal. “Teremos novos voos para a Europa, precisamos trabalhar para que quem venha fazer conexão aqui fique por, pelo menos, dois ou três dias. Estamos conversando com empresários do setor hoteleiro para que possamos trazer o máximo de passageiros para cá”, afirma Alexandre Pereira.

Conforme Arialdo Pinho, o Projeto Stopover deve ser implementado em 2018, possivelmente no mês de maio, quando começam os voos para Paris e Amsterdã. A prioridade é viabilizar, antes de maio, roadshows (rodadas de negócios) na Holanda e na França. Nos próximos dias 13 e 14 de novembro, o secretário fará uma “explanação” sobre Fortaleza em Paris, a convite do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur).

Fonte: O Povo

A ausência da mama altera a imagem corporal da mulher, podendo gerar a sensação de mutilação, perda da feminilidade, problemas no relacionamento conjugal e até mesmo restrição no convívio social. Para melhorar a autoestima, muitas pacientes em tratamento contra o câncer de mama optam pela reconstrução mamária. O procedimento deve ser realizado por um cirurgião plástico especializado, adequando o tipo de reconstrução a cada caso.
 
Com efeitos positivos tanto para o emocional quanto para a estética, a imediata reconstrução mamária, após a mastectomia, é indicada por médicos como um procedimento que permite resultados mais naturais para a paciente. Na reconstrução tardia, é preciso aguardar a cicatrização da mastectomia, podendo ocorrer retração da pele e dos tecidos na região, além de fibrose.
 
O médico Ageu Brasil (CRM-CE 3578 / RQE 3085) explica, que há 30 anos, os mastologistas indicavam a reconstrução mamária somente após um período de dois anos da mastectomia. Atualmente, a recomendação mudou e o procedimento é realizado logo após a retirada da mama. “Na cirurgia, entram as duas equipes. O mastologista faz a mastectomia, depois o cirurgião plástico já faz a reconstrução.”
 
Com mais de 35 anos de experiência em cirurgia plástica, Ageu atende muitas pacientes que passam pela mastectomia. O médico destaca os efeitos positivos da reconstrução mamária na autoimagem e no tratamento da mulher. “Estudos feitos mostraram que pacientes que fazem a reconstrução imediata mantêm uma evolução muito melhor. A autoestima delas faz com que a evolução do tratamento seja muito mais eficaz.” 
 
Tipos de reconstrução
 
A evolução da técnica oferece atualmente três tipos de reconstrução, conforme indica o cirurgião plástico:
• Implante – utiliza uma prótese de silicone, aproveitando a pele que sobrou na região operada;
• Mista – faz uso primeiro de um expansor para ir aumentando a pele na região afetada, e em seguida implanta a prótese definitiva. Procedimento sugerido em caso de pouca ou nenhuma pele para utilizar na reconstrução;
• Autóloga – aproveita tecido da própria paciente para a reconstrução, retirando da região das costas ou do abdômen.
 
Para melhorar os resultados, a reconstrução é um processo realizado em etapas, esclarece o médico. “São vários tempos cirúrgicos, mas já se começa de imediato, logo que tira a mama. Depois da primeira, em média, mais uma ou duas cirurgias. Não tem resultado exato, depende de cada caso”, orienta.
 
Entre as dúvidas sobre a reconstrução, as mulheres questionam se é possível continuar o tratamento ou se a prótese prejudica a realização de exames, a exemplo da mamografia. Segundo Ageu, a prevenção continua da mesma forma, pois a reconstrução não dificulta em nada o tratamento.
 
Outubro Rosa
 
Eleito o mês de conscientização sobre o câncer de mama, outubro é o período para compartilhar informações e incentivar o maior acesso a serviços e diagnóstico, o Outubro Rosa. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), o câncer de mama responde por cerca de 28% dos novos casos da doença, a cada ano, no Brasil.
 
Em 2016, foram quase 58 mil novos de câncer de mama no País. De acordo com a Agência Brasil, apenas 20% das 92,5 mil mulheres que fizeram a cirurgia de mastectomia para tratamento do câncer de mama, entre os anos de 2008 e 2015, passaram pelo procedimento de reconstrução mamária. As informações foram levantadas pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), com base em dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DataSUS).
 
A cirurgia de reconstrução mamária é um direito assegurado pela Lei 12.802, de 24 de abril de 2013, sancionada pela presidente Dilma Rousseff. Segundo a legislação, a rede de unidades integrantes do SUS é obrigada a realizar cirurgia plástica reparadora da mama nos casos de mutilação decorrentes de tratamento de câncer.
 
Serviço
Ageu Brasil Cirurgia Plástica
Shopping Aldeota Expansão - av. Dom Luiz, 500 - 16º Andar - sala 1616
Informações: (85) 3433 1144 / 1145 – (85) 99631 9876
Fonte: O Povo

Com o objetivo de ouvir sugestões e debater políticas públicas com membros de comunidades de todo o Estado, o Governo do Ceará promoveu neste sábado (21) o Seminário dos Conselhos Comunitários de Defesa Social (CCDS) de 2017. O encontro reuniu 1.000 representantes de conselhos no Centro de Eventos do Ceará e foi presidido pelo governador Camilo Santana.

Durante o evento, o chefe do Executivo interagiu com os participantes, respondendo a demandas apresentadas pela população de diversos municípios cearenses. Camilo Santana ressaltou que o Governo do Ceará, através do seminário, reforça o compromisso da gestão pública com a construção coletiva de ações para o bem social e colabora para o “empoderamento da população” no planejamento estadual, em especial da Segurança Pública.

“Nós acreditamos que qualquer política que seja construída e implementada para a sociedade precisa ser dialogada com a população. E ninguém mais do que os Conselhos Comunitários de Defesa Social para sugerir, criticar e apoiar nessa construção. São eles que vivem o dia a dia nos bairros e enfrentam os problemas da violência. Eles podem sugerir alternativas de prevenção e apoio, não só na infraestrutura urbana do bairro, mas em projetos sociais que possam acolher os jovens e gerar mais oportunidades”, apontou.

Além de Camilo, participaram do evento a vice-governadora Izolda Cela, responsável por proferir a palestra sobre o Pacto por um Ceará Pacífico, e o secretário da Segurança Pública e Desenvolvimento Social, André Costa, que apresentou resultados das ações da pasta no Estado.

Projetos para a comunidade

Para o evento deste sábado, o Governo do Ceará mobilizou a vinda de representantes de todo o Interior do Estado, para valorizar e ampliar as iniciativas de todas as localidades cearenses. Durante o seminário foram empossados cerca de 380 novos conselheiros, para mandato de quatro anos.

Titular da SSPDS, André Costa argumentou que o Estado assume diante do CCDS o papel de levantar as informações e detectar as principais carências da população. A partir deste diálogo, aponta o secretário, é possível entender como trabalhar melhor projetos específicos em cada comunidade.

“Neste seminário a gente pode ter um momento de maior aproximação, contato direto. Buscamos seguir o caminho de ouvir as pessoas, as demandas que elas têm, principalmente nessa área de Segurança Pública, que hoje é o problema que mais aflige a população em geral. Aqui temos pessoas que escolheram ter um engajamento maior e debater temas específicos”, explicou.

Diversos stands estiveram instalados no Centro de Eventos do Ceará para apresentar as ações mantidas pela Segurança Pública e parceiros, como a Polícia Militar (Proerd, Cavalaria e Canil, por exemplo), Bombeiros (Saúde e Sociedade, Jovem Bombeiro Voluntário, entre outros), Polícia Civil (Divisão de Proteção ao Estudante), Ceará Pacífico e dos Escoteiros do Brasil.

Comunidade em ação

O radialista Carlos Régius está se integrando agora ao CCDS. E com grande expectativa de contribuir com as políticas públicas do Ceará. Para ele, é notória a integração cada vez maior entre as ideias apresentadas pelas lideranças comunitárias e o corpo de gestores estaduais, em todos os campos de atuação.

“Vamos fazer parte de uma construção de políticas públicas. O nosso papel principal é tentar identificar as deficiências da nossa comunidade para ajudar a minimizar os acontecimentos na área da Segurança, como também inserir os menos favorecidos neste momento de construção”, expôs.

A presidente do CCDS de Quixeramobim, Mazé Damasceno, trouxe uma expressiva comitiva do município e da Região do Sertão Central para o seminário. Com vários anos de experiência em projetos comunitários e no diálogo com o poder público, ela testemunha que é possível reivindicar e participar ativamente das ações e melhorias na vida da comunidade. “Temos vários programas para juventude na minha cidade. Sempre lutamos por eles. Através do conselho, já conseguimos para o município de Quixeramobim, o IML, o Corpo de Bombeiros e recentemente a equipe do Raio, tudo através de reuniões e solicitações junto ao Governo do Ceará”.

Para ampliar a valorização dos conselhos, o governador Camilo Santana anunciou nesta edição do Seminário CCDS a novidade de que serão feitas reuniões mensais com as lideranças dos Conselhos Comunitários de Defesa Social para discussão e acompanhamentos de temas e pautas mais urgentes para a população.

Luta reforçada

Coordenadora do Pacto por um Ceará Pacífico, a vice-governadora Izolda Cela reforçou em seu discurso no seminário a relevância de a comunidade andar junto aos governantes na elaboração de soluções no combate à violência. Para ela, os conselheiros são representantes com grande poder e responsabilidade, capazes de transformar mais do que ninguém a realidade onde vivem.

“Mais do que um programa que tenha ações, essa é uma instância de mobilização compreendida pelo governador como altamente necessária se a gente quiser ter chance de vencer essa batalha contra a violência e sermos mais eficazes nesse combate”, afirmou Izolda.

Reivindicações

Ao longo da manhã, Camilo Santana conversou e ouviu anseios por parte de populares no evento. Entre as reivindicações das comunidades, que foram apresentadas por representantes dos CCDS, destacou-se o pedido por construção de areninhas em bairros de Fortaleza e em alguns municípios.

Sobre o tema, o governador reforçou que 33 novos equipamentos de lazer e esporte estão licitados e, até o final do mês, o Governo do Ceará deve iniciar as ordens de serviço da maioria destes.

Os municípios que receberão o Projeto Areninha neste primeiro momento são: Acaraú, Aquiraz, Aracati (Sede e Canoa Quebrada), Barbalha, Brejo Santo, Camocim, Canindé, Cascavel, Caucaia, Crateús, Crato, Eusébio, Guaraciaba do Norte, Horizonte, Icó, Iguatu, Itaitinga, Itapajé, Itapipoca, Juazeiro do Norte, Limoeiro do Norte, Maracanaú, Maranguape, Mombaça, Morada Nova, Pacajus, Pacatuba, Paracuru, Quixadá, Quixeramobim, Russas, Santa Quitéria, São Benedito, São Gonçalo do Amarante, Sobral, Tauá e Tianguá.

“Acrescentamos mais duas cidades na lista das que vão receber as areninhas, que são Granja e Trairi. A nossa intenção é que todo município acima de 50 mil habitantes receba areninha. A ideia é levar acolhimento e estrutura para esporte e lazer para os jovens”, disse.

Sobre o CCDS

O Conselho Comunitário de Defesa Social (CCDS) foi criado em 1998, com objetivo de participar ativamente da solução dos problemas de segurança, apoiando e auxiliando a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Anualmente, a diretoria dos CCDS, composta com no mínimo 10 e no máximo 20 membros, é eleita pela comunidade e constituída por autoridades da SSPDS, representantes de associações, lideres comunitários, profissionais liberais, estudantes de nível médio e universitários e demais cidadãos, todos espontaneamente comprometidos com a colaboração para o equacionamento dos problemas de segurança pública.

Os voluntários trabalham diariamente em prol da segurança dos moradores, auxiliando a polícia na manutenção da ordem pública. Através de reuniões, os conselheiros apresentam a defesa dos interesses da comunidade, junto aos poderes públicos, garantindo assim a satisfação dos anseios e necessidades existentes. A ideia é incentivar o bom relacionamento da população com a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Polícia Civil.

Fonte: Governo do Ceará

ma enorme operação logística foi montada pelo governo federal para garantir que não haja sobressaltos entre 5 de novembro, quando os 6,1 milhões de candidatos da edição 2017 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) fizerem a prova de redação, e 19 de janeiro de 2018, quando está programada a divulgação das notas do exame.

Isso porque cada redação terá que ser corrigida por pelo menos duas pessoas – três, caso haja discreprância entre as duas primeiras notas, e mais uma banca presencial com outros três professores, se a discrepância das notas persistir.

Neste ano, a tarefa de correção compete a um consórcio com três empresas: Cesgranrio, Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Fundação Vunesp.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que na quinta-feira (19) realizou uma simulação de segurançapara testar a logística do processo, explicou o passo a passo de como cada prova de redação vai sair das mãos dos candidatos, chegar até as mãos dos corretores, voltar corrigida ao Inep e depois ser divulgada ao público, tudo isso em um período previsto de 75 dias:

 

1- Coleta, transporte e entrega das provas

 

Número de pessoas envolvidas: 19 mil funcionários dos Correios

Como funciona: Depois do fim das provas, os fiscais e coordenadores dos locais de provas guardam o cartão de resposta e a folha de redação de cada candidato de volta aos malotes, e os Correios se encarregam de fazer o transporte até o Rio de Janeiro. É a primeira fase do que o Inep chama de "operação reversa", ou seja, o caminho de volta das provas preenchidas pelos candidatos até o governo federal.

 

2- Separação e digitalização das provas

 

Número de pessoas envolvidas: 700 funcionários do consórcio

Como funciona: No Rio de Janeiro, os malotes serão entregues para o consórcio. Segundo o Inep informou ao G1, a entrega ocorrerá em dois galpões, um da Cesgranrio e um da FGV. A partir daí, a segunda etapa é a separação e digitalização das provas. Para isso, a Cesgranrio vai contar com 500 funcionários, e a FGV, 200.

A digitalização das provas objetivas é feita com um "sistema de reconhecimento", que, segundo o Inep, extrai os dados das respostas das questões de múltipla escolha. Uma base de dados com as respostas dos candidatos é criada a partir desta extração e, depois, a correção é feita aplicando a metodologia da Teoria da Resposta ao Item. O Inep afirma que esse processo é feito duas vezes, uma pela Cesgranrio e outra pela própria autarquia do MEC, para conferência das respostas.

Já a digitalização das folhas de redação inclui um procedimento no qual cada prova é "descaracterizada", para que o corretor não consiga identificar a autoria do texto.

 

3- Correção das provas de redação

 

Número de pessoas envolvidas: 9 mil corretores coordenados pela Vunesp

Como funciona: Depois de digitalizar as provas de redação, a Cesgranrio e a FGV enviam as cópias digitais de cada prova à Fundação Vunesp, sediada em São Paulo, que tem a responsabilidade de realizar a correção. Para isso, 9 mil corretores serão mobilizados.

Cada prova será avaliada por, pelo menos, dois avaliadores, de forma independente, sem que um conheça a nota atribuída pelo outro. Esses dois professores avaliam o desempenho do participante de acordo com as cinco competências. Cada avaliador atribuirá uma nota entre 0 e 200 pontos para cada uma das cinco competências, e a soma desses pontos comporá a nota total de cada avaliador, que pode chegar a 1.000 pontos. A nota final do participante será a média aritmética das notas totais atribuídas pelos dois avaliadores.

 

Caso a nota final de cada avaliador tenha discrepância de mais de 100 pontos, ou caso a nota de cada avaliador em uma das competências tenha discrepância de mais de 80 pontos, a redação passará por um terceiro avaliador. Se a discrepância persistir, uma banca presencial com três professores avaliará a redação mais uma vez, para definir a nota final do candidato.

 

4- Processamento dos resultados

 

Depois de corrigidas, o consórcio devolve as notas das duas provas (objetivas e de redação) ao Inep, que fica incumbido de processar os resultados e gerar o Boletim de Desempenho. De acordo com o governo federal, a divulgação do boletim deve acontecer em 19 de janeiro de 2018.

Fonte: G1/CE

Pagina 5 de 202